(67)99875-2488

Brasil

Asfalto na estrada ecológica avança pelo vale da serra levando progresso

Publicada em 04/11/18 as 03:01h por Radio Morena FM - 1040 visualizações


Compartilhe
   

Link da Notícia:


O asfaltamento de 18,4 km da MS-450, a estrada ecológica que interliga os distritos de Palmeiras, Piraputanga e Camisão, nos municípios de Dois Irmãos do Buriti e Aquidauana, segue enfrentando os desafios naturais não previstos no projeto e as chuvas, que são frequentes na região. O Governo do Estado investe R$ 17,6 milhões em uma obra considerada emblemática para o desenvolvimento das comunidades e do turismo.

A MS-450 é classificada como Estrada Ecológica e integra a Área de Proteção Ambiental (APA) de 10 mil hectares, criada em 2000. O complexo e diversificado ambiente exigiu uma intervenção monitorada pela Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), que contratou um arqueólogo para realizar estudos em áreas com incidência de sítios arqueológicos. Vários fragmentos do período pré-indígena foram encontrados no trecho.


Empreiteira executa terraplenagem na região rochosa da morraria.

Com 55 Km de extensão, do trevo com a BR-262 ao centro de Aquidauana, a rodovia é o principal acesso aos distritos, privilegiados pelos recursos naturais situados no entorno dos paredões de arenito da Serra de Maracaju, ambiente esse cortado pelos trilhos da antiga ferrovia e pelo rio Aquidauana. O local é muito visitado por pescadores e amantes de esportes radicais, como trilhas e escaladas, e conta com estrutura de hotéis, pousadas e pesqueiros.

Museu a céu aberto

O levantamento arqueológico contratado pelo Estado faz parte do licenciamento ambiental da obra da MS-450. A pavimentação é executada em várias frentes obedecendo as restrições impostas pelos indícios de ocorrência de registros deixados por antigas civilizações que ocuparam o lugar. Os trechos em estudo situam-se no pé da morraria, onde a estrada é estreita e exigirá intervenções de risco, como a remoção de grandes blocos de pedras.


Estudo arqueológico será fundamental para preservar região rica em história.

Com mais de 30 anos de experiência, o arqueólogo Gílson Martins, 65 anos, realiza o minucioso trabalho ao longo de 2,5 Km dentro da faixa de domínio da estrada, onde encontrou fragmentos deixados por vários grupos da civilização pré-histórica, como os caçadores- coletores. Dentre as peças, encontradas em escavações a apenas 40 centímetros do solo rochoso, estão ferramentas de pedra e uma fogueira com carvões que datam três mil anos.

“São testemunhos da ocupação de um lugar muito interessante, palco de vários cenários históricos, como a chegada da ferrovia, a exploração do garimpo de diamante, que, preservados, podem contribuir com a memória local e o turismo”, afirma o arqueólogo. Ele vai propor um plano de manejo dos sítios, que se revelam no grande vale entre a serra e o rio. “A amostragem que se apresenta sugere a criação de um museu a céu aberto”, antecipa Martins.


Obra exige grandes investimentos para drenar as águas pluviais da morraria.

Obra enfrenta desafios

As chuvas atemporais não são o único obstáculo natural na pavimentação da MS-450. Trechos da estrada que circundam a morraria exigem da engenharia solução para situações imprevistas, como a presença de rochas aflorando na pista e a necessidade de deslocamento de blocos de pedras. Os canais naturais de vazão de água pluvial também mudaram a concepção do projeto, aumentando os custos com um complexo sistema de drenagem.

“Estamos trabalhando com a menor interferência possível no pé do morro, detonação só em último caso”, informa Eduardo Toscano, engenheiro da construtora Marins, responsável pela obra. Segundo ele, já foram executados 9 Km de asfalto e os 80 operários trabalham agora no estreito da morraria. O Estado inicia em novembro a construção da ponte de concreto de 40 metros sobre o córrego das Antas, no valor de R$ 1,7 milhão, em Piraputanga.

Novos empreendimentos

O trade turístico, o comércio e os produtores rurais da região comemoraram a chegada da infraestrutura viária. Para o dono do restaurante Pita, de Piraputanga, Ademar Cassaro, 48 anos, o asfalto “é uma grande conquista” e impulsionará a economia, principalmente o turismo. “Estou aqui há 15 anos e nosso sofrimento sempre foi a dificuldade de acesso. Quando não é a poeira e os buracos, o atoleiro quando chove”, diz. “A gente agradece muito ao governador”.


A prefeitura de Aquidauana tem uma projeção animadora para o lugar, com a perspectiva de novos investimentos em hotelaria e outros serviços, tornando a Estrada Parque em um dos principais destinos de ecoturismo de Mato Grosso do Sul. A Fundação de Cultura e Turismo do Município iniciou a formatação de roteiros com a atual estrutura de hospedaria e implantará sinalização turística. Estuda-se, também, a circulação de um trem turístico em todo o trecho.

Morando há 30 anos em Piraputanga, o ex-radialista Jorge Faria, 63 anos, dono de uma conveniência em frente à praça principal, é um dos mais entusiastas com o investimento do Governo do Estado. “Acompanhei aqui a chegada da telefonia, da energia; agora vem a pavimentação da estrada, é o fim da poeira e da lama, estamos todos felizes com esse progresso”, diz. “Estão falando até na construção de um condomínio de pesca por aqui”.




 
Enquete
Qual estilo musical é o seu preferido ?

 Sertanejo
 Chamamé
 Gaucha
 Romantica
 Paraguaia
 Universitario
 Flash Back
 Pagode







LIGUE E PARTICIPE

67992736075

Visitas: 6049
Usuários Online: 16
Copyright (c) 2018 - Radio morena FM